MS registra recorde na abertura de empresas no mês de agosto e no acumulado do ano

MS registra recorde na abertura de empresas no mês de agosto e no acumulado do ano

A JUCEMS (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul) registrou a abertura de 926 empresas em agosto, número recorde para o mês desde que os dados passaram a ser computados, no ano 2000. Omelhor desempenho anterior para o mês de agosto havia sido no ano passado, com 886 novas firmas. O total acumulado de abertura de empresas de janeiro até agosto também é recorde: 6.610. O anotem sido de superação nesse item: março (913), maio (847), junho (909) e julho (938) foram números recordes na série histórica.

O presidente da JUCEMS, Augusto Castro, cita dois fatores principais que influenciaram esses resultados: o bom momento da economia do Estado e o processo de modernização que transformou os serviços da Junta, conferindo agilidade, confiabilidade e segurança aos empreendedores. “O desempenho crescente e consistente nas aberturas de empresas são o resultado da confiança dos empreendedores sul-mato-grossenses no ambiente de negócios proporcionado pelas condições positivas geradas pela base econômica do Estado, que é o agronegócio, e pelo processo de modernização e inovação tecnológica implantado pela JUCEMS, que hoje tem todos os seus serviços disponíveis em plataforma digital, sem a necessidade da presença física dos usuários para o atendimento”, afirmou.


O setor de Serviços responde por 67,17% do total das empresas abertas em agosto (622), enquanto o Comércio, com 263 novas firmas, representa 28,4% e a Indústria (41), 4,43%. Augusto Castro salienta que nesses números não estão inclusos os MEI (Micro Empreendedor Individual), que são constituídos de forma virtual no portal do Governo Federal.


Para o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, o ambiente favorável na economia é reflexo das medidas adotadas pelo governo do Estado visando proteger o setor dos efeitos nocivos da crise causada pela pandemia Covid-19, além de estímulos ao empreendedorismo com a política de incentivos fiscais, a atração de investimentos em setores estratégicos e o aumento no volume de financiamentos pelo FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste).


“Mato Grosso do Sul tem demonstrado vigor na economia, firmando-se no grupo dos 10 melhores estados para investir. Esse ambiente foi construído com ações afirmativas, sinalizando ao empresariadoque existe solidez, oportunidades e apoio do poder público para garantir o crescimento sustentável do Estado. A modernização tanto da Junta Comercial quanto dos processos de licenciamento ambiental surpreende de forma positiva os investidores que procuram o Estado”, pontuou.

O secretário lembrou que, segundo o último boletim do Mapa de Empresas emitido em agosto pelo Ministério da Economia, o tempo médio para abertura de empresas no Brasil (registro + viabilidade) éde 23 horas. “Mato Grosso do Sul realiza esse serviço em 22 horas, ou seja, já estamos abaixo da média nacional, e ainda vamos reduzir mais esse tempo com a implantação do projeto Balcão Único”,completou.

O projeto do balcão único consiste em um sistema de entrada única dos empreendimentos considerados de baixo risco de atividade, incluindo o trâmite de abertura e a liberação das licenças municipais e estaduais. O projeto terá início por Campo Grande, que representa 40% das aberturas de empresas do Estado, e posteriormente será estendido a outros municípios.


O registro automático de empresas é o diferencial que contribui para a rapidez na expansão dos negócios no Estado. O presidente da JUCEMS afirma que, das 6.610 empresas abertas no período de janeiro a agosto, 4.250 utilizaram o sistema de registro automático, o que perfaz 64,32% do total.


“Nesse sistema o usuário insere os documentos padrões disponíveis na plataforma, ao terminar o processo de cadastramento e enviar a documentação com a assinatura digital através do portal gov.br, obtém de forma instantânea o CNPJ da empresa.” A meta da JUCEMS é ampliar essa modalidade de registro até chegar a 100% dos processos de abertura de novas empresas.